Cogumelo Trametes versicolor em Guimarães

Cogumelo Trametes versicolor,no Jardim do Paço dos Duques, Guimarães (28 de Outubro de 2013). Foto IMF

Cogumelo Trametes versicolor (Guimarães, Jardim do Paço dos Duques, 28 de Outubro de 2013). Foto IMF

Neste blogue, quase pela mesma altura do ano, Novembro de 2011, também falei de cogumelos, ou melhor de uma espécie de cogumelos – os macrolepiota procera – vulgarmente conhecidos pelos nome de santieiros ou sentieiros, frades, choteiros ou tortulhos.
Desta vez falar-vos-ei de um cogumelo bem diferente, o Trametes versicolor.

Cogumelos de muitas espécies

Cogumelos Trametes versicolor, junto a bétula morta (Guimarães, Jardim do Paço dos Duques, 28 de Outubro de 2013). Foto IMF

Cogumelos Trametes versicolor, junto a bétula morta (Guimarães, Jardim do Paço dos Duques, 28 de Outubro de 2013). Foto IMF

Os cogumelos são fungos que se alimentam por absorção, estimando-se que existam cerca de 1,5 milhão de espécies, sendo que nem 5% estão classificadas.
Ao longo dos anos, nas diversas regiões do mundo o homem foi aprendendo a distinguir as espécies comestíveis das que são tóxicas.
Os cogumelos crescem em meios muito distintos – no solo, no estrume, entre folhas mortas, nos troncos e casca das árvores. De um modo geral desenvolvem-se em período húmido e com temperatura amena, sendo vulgar vê-los crescer depois de um período de chuva. É por isso normal que a sua colheita se faça especialmente durante o Outono.
Os cogumelos podem apresentar forma, cor, cheiro e sabor muito distintos, havendo variedades comestíveis, alucinógenas e tóxicas, sendo que estas podem mesmo causar a morte. Os cogumelos comestíveis contêm cerca de 2 a 10% de proteínas sendo ricos em vitaminas do complexo B e sais minerais como ferro, cálcio, potássio, magnésio e fósforo.

O cogumelo Trametes versicolor

Cogumelo das cerejeiras. Boletus versicolor. Imagem retirada de «Éducation à l'Environnement» (http://informations-documents.com/environnement/coppermine15x/displayimage.php?pid=5004)

Cogumelo das cerejeiras. Boletus versicolor. Imagem retirada de «Éducation à l’Environnement» (http://informations-documents.com/environnement/coppermine15x/displayimage.php?pid=5004)

Na semana passada, no percurso pedonal que faço habitualmente a caminho do trabalho, suscitou a minha atenção um “tufo” em tons de castanho que brotava junto a uma velha bétula já morta, nos jardins que rodeiam o Paço dos Duques, em Guimarães, do lado da estrada que conduz a Fafe.
Aproximei-me de tão estranho “tufo” de dimensões avantajadas e que se estendia no solo por mais de 60 cm, havendo outros “tufos” que ladeavam o tronco da árvore ou que nela se “penduravam”.
Não foi difícil perceber que se tratava de uma espécie de cogumelo, mas qual?
Com ajuda da internet fiquei a saber tratar-se da espécie trametes versicolor, existindo cerca de 100 géneros diferentes dentro da família a que pertence – a Polyporaceae.
Este cogumelo, de dimensões avantajadas e que não possui o característico chapéu, adquire diferentes cores consoante o local onde se hospeda, costumando crescer em madeira em decomposição, ou seja, em árvores com “tecidos necrosados”.

Parte traseira dos cogumelos Trametes versicolor. Repare-se que a superfície é lisa e branca (Guimarães, Jardim do Paço dos Duques, Outubro de 2013). Foto IMF

Parte traseira dos cogumelos Trametes versicolor. Repare-se que a superfície é lisa e branca (Guimarães, Jardim do Paço dos Duques, Outubro de 2013). Foto IMF

Trata-se de um cogumelo comestível, mas é de sabor pouco agradável ao palato. Este trametes versicolor que encontrámos em Guimarães caracteriza-se pelo tardoz do cogumelo, ou seja a parte de trás, ser lisa e branca ao contrário de outros da mesma família.
 
Reino: Fungi
Filo: Basidiomycota
Classe: Agaricomycetes
Ordem: Polyporales
Família: Polyporaceae
Género: Trametes
Espécie: T. versicolor
Sinónimos: Boletus versicolor L. (1753), Polyporus versicolor (L.) Fr. (1821), Coriolus versicolor (L.) Quél. (1886)

Se passar no jardim junto ao Paço dos Duques não deixe de visitar este cogumelo (que não durará muito mais tempo…), o qual, mesmo não dando origem a um suculento pitéu, nos encanta com a sua beleza.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sites consultados:
http://en.wikipedia.org/wiki/Trametes_versicolor
http://esa.ipb.pt/agro689/brochura_das_Jornadas_Micologicas.pdf
http://informations-documents.com/environnement/coppermine15x/displayimage.php?pid=4289
http://botit.botany.wisc.edu/toms_fungi/aug97.htmlhttp://biotic.bot.uc.pt/index.php?menu=6&language=pt&tabela=geral

2 thoughts on “Cogumelo Trametes versicolor em Guimarães

  1. TOlá boa tarde.
    Também tenho ema especie deste cogumelo no meu jardim. É enorme, castanho!
    Não sabia o que era e como tenho caes ,estive para o retirar.
    Hoje identificaram-mo. O que posso fazer com ele?
    Ob
    Manuela

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s